quarta-feira, janeiro 26, 2005

Ainda o Jeremias

O génio de Jorge Palma criou de facto um personagem que suscita abordagens para todos os gostos e feitios. Os comentários produzidos a propósito confirmam-no. De desistente a marginal, de "homem que vive das pequenas coisas que a boa conduta social despreza" a rebelde sem causa, tudo pode ser visto em Jeremias. E de tudo isto ele sorri. Por ser tudo parcialmente verdade e tudo parcialmente falso. E assim se cumpre outra característica do personagem, desarranjar o pesadelo para lá dos limites legais. A humanidade do Jeremias está nisso. Como dizia alguém "nada do que é humano me é estranho". A construção do caminho faz-se sempre caminhando. No caso concreto de Jeremias sempre de frente para o trânsito porque, como supeito que ele costuma dizer, não devemos ter medo de nada que possamos olhar de frente.
O resultado de tudo isto é a transformação da vida do Jeremias e todos os que com ele se cruzam. Para o bem e para o mal. Jamais indiferença.
Não conheço o Contador de Histórias mas gostei do comentário. E, num tempo em que toda a gente protege a pele, gosto de quem se despede com um abraço!