sábado, janeiro 15, 2005

Noitada...

«A noite já não era uma criança quando se deitaram.
O cansaço de horas a fio de intermináveis tarefas, conversas, querelas, trocas e baldrocas (que qualquer quotidiano pode trazer) não lhes permitia , racionalmente, visionar o que deveras desejavam.
Facilmente decidiram estirar os corpos e as almas em colchão silencioso, suspirando por outras energias, noutras dimensões, noutro horário.
Adormeceram ainda abraçados. Por minutos ou horas nenhum o sabe ou saberá.
Toda a noite dançaram vigilantes entre silêncios enlaçados, trocas de passos, de abraços, de jeitos e trejeitos, num ritmo lento e cadenciado de morna ou valsa, de ternura ou simplesmente de desejo silenciado.
De manhã, apenas o mistério de emoções impossíveis de descrever e uma leveza quase insustentável de suportar.»

Isto está a pegar. E de que maneira....
Estou ansiosa por ver por aqui mais gente e de nos vermos realmente.
Não tenho tido muito tempo neste momento. Ando atrapalhada com tanta coisa para fazer. Mas logo que me liberte, me aguardem. ...
Para quem gosta de "ver" dançar: Está um filme fixe com o Richard Geere e não só... "Let's dance" no Eborim até 5ª feira, pelo menos.