segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Independentemente de ser...

A mim parece-me, e vivo assim, que não existem cidadãos de primeira ou segunda, mas apenas perspectivas diferentes, sendo que a diferença não tem certificado/prazo de validade. Penso eu que todas as perspectivas são válidas e ajudam-nos a pensar; mesmo aquelas que nos parecem inverosímeis são importantes... não podemos manter as nossas perspectivas fechadas e impermeáveis àqueles que nos cercam, ainda que não gostemos das ditas pelo menos poderemos descobrir novas formas de fundamentarmos melhor as nossas! ;)
Não sendo juíza, mas não resistindo a ajuizar um cadito, penso que quem "vive" no mundo dos cidadãos de primeira e/ou segunda, está a viver numa "realidade" que muito provavelmente se verá constantemente tocada por outras existências (de primeira e/ou segunda) e que, desconfio, não poderá manter-se "imune" às mesmas em todo o momento... a diferença está em podermos (ou não) fazer dessas influências formas de evoluirmos (num sentido positivo!!!) um pouco mais!
Pronto, talvez a questão se """resuma"""" a uma """"escolha""" de mundos!!!??