terça-feira, março 01, 2005

Tu Também...

Desculpem-me cortar radicalmente com o tema precedente mas...Tem de ser!
Tenho que falar sobre algo que me tem revoltado nos últimas dias:
tendo em conta o "briol" que está em todo o país digamos que, passar noites ao relento em bombas de gasolina, não é propriamente a ideia que eu faço de uma noite bem passada. Por muito que goste de conviver e de conhecer gente, há limites! E, de masoquista, não tenho muito. É preciso coragem (ou será outra coisa?) para estar, 12 horas (pelo menos), à espera de um pedaço de papel (que, provavelmente, até vai estar esgotado) com custo bem superior aos 50€. Mas enfim. Só lá está quem quer e, na realidade, não é isso que me está a revoltar.
O que me revolta é que nós, cidadãos de "segunda" deste país, estejamos, mais uma vez, a ser alvo de uma inacreditável discriminação!!!
Já todos perceberam que me refiro ao ansiado concerto dos U2, a 14 de Agosto, em Alvalade. Trata-se de uma das maiores bandas do mundo, sem dúvida. Era certo e sabido que a "louca" corrida aos bilhetes iria ser frenética. O que ninguém pensava era que nem todos tivessem oportunidade de comprar bilhete... Podem-me dizer: "Ah! e tal, os bilhetes estiveram à venda na Fnac, podias lá ter ido!" Será que podia? E agora, ainda me podiam vir dizer que os ingressos estão à venda desde hoje nos postos da BP. É verdade. E até há BP em Évora! Mas não! Nós, os tais cidadãos de segunda (todos os portugueses com excepção dos que vivem em Lx, Porto, Aveiro, Coimbra e Setúbal, salvo erro) nem sequer pudemos aspirar a conseguir bilhete. Do meu grupo de amigos, ainda houve quem fosse à aventura... Tempo perdido. Obviamente que, os portugueses de primeira, (os tais que moram nesses locais privilegiados) tinham chegado primeiro. "Azar o vosso!", dirão eles. Injustiça! digo eu.
O problema maior não é o concerto em si. A questão é que, este é apenas um dos muitos exemplos, de como promover o aumento das assimetrias no nosso país. São sempre os mesmos a beneficiar. Quem mais tem, mais ganha! Boa!! É assim que vamos lá. E, neste caso, era tão fácil vender por multibanco... Ou colocar bilhetes à venda em TODOS os postos da BP dos país. Aposto que esgotavam da mesma forma.
Pois é, meus amigos. É assim na distribuição dos bilhetes para os concertos, dos dinheiros, da promoção da cultura, do desporto... Viva a demagogia!
Perdoem-me o desabafo e o tom algo sindicalista, mas não conseguia ficar calado.