sexta-feira, janeiro 27, 2006

Movimento

Talvez uma das melhores coisas da vida seja, a meu ver, o movimento, a sua característica infinitamente dinâmica que faz com que, quer queiramos quer não, tudo mude, tudo evolua. Mais ou menos de acordo com o que desejamos. Mais ou menos com a nossa interferência. Mais ou menos com interferências de outros que nos agradam mais ou menos.
Mas muda.
E isso faz com que se relativize o definitivo, incluindo aqui faltas de "equipamento". Faz com que se tenha mais clara a noção de "caminho", não´apenas a percorrer, mas sobretudo a construir.
As "circunstâncias" mudam e o "homem" também.

Quem mexeu no meu queijo?